Botucatu, quinta-feira, 09 de Abril de 2020
LINKS
COTIDIANO
10/03/2016
CNBB condena ânimos acirrados


Dom Sergio da Rocha  condena ânimos acirrados
 
A situação exige o exercício do diálogo à exaustão Informa nota da CNBB sobre momento político no Brasil
 
 
Nota da CNBB reconhece a gravidade da crise, defende o direito a manifestações pacíficas com respeito às pessoas e instituições, e pede calma neste momento.
 
Dom Sergio da Rocha condena ânimos acirrados A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota nesta quinta-feira (10) para acalmar o cenário político, às vésperas da reunião do PMDB, que ocorrerá sábado (12), da manifestação da oposição marcada para o domingo (13), e no mesmo dia em que o promotor Cássio Conserino literalmente pede a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 
 
Dizendo que o Brasil vive “uma profunda crise política, econômica e institucional”, e a nota é taxativa: “o momento atual não é de acirrar ânimos. A situação exige o exercício do diálogo à exaustão”. E lembra que a busca de respostas deve atender às necessidades do povo, e não à lógica do mercado e aos interesses partidários”. 
 
Leia abaixo a íntegra da nota, assinada por D. Sergio da Rocha, Presidente da CNBB, D. Murilo S. R. Krieger, Vice-Presidente, e D. Leonardo Ulrich Steiner, Secretário Geral. 
 
NOTA DA CNBB SOBRE O MOMENTO ATUAL DO BRASIL
 
“O fruto da justiça é semeado na paz, para aqueles que promovem a paz” (Tg 3,18)
 
Nós, bispos do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil–CNBB, reunidos em Brasília-DF, nos dias 8 a 10 de março de 2016, manifestamos preocupações diante do grave momento pelo qual passa o país e, por isso, queremos dizer uma palavra de discernimento. Como afirma o Papa Francisco, “ninguém pode exigir de nós que releguemos a religião a uma intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos” (EG, 183).
 
Vivemos uma profunda crise política, econômica e institucional que tem como pano de fundo a ausência de referenciais éticos e morais, pilares para a vida e organização de toda a sociedade. A busca de respostas pede discernimento, com serenidade e responsabilidade. Importante se faz reafirmar que qualquer solução que atenda à lógica do mercado e aos interesses partidários antes que às necessidades do povo, especialmente dos mais pobres, nega a ética e se desvia do caminho da justiça.
 
A superação da crise passa pela recusa sistemática de toda e qualquer corrupção, pelo incremento do desenvolvimento sustentável e pelo diálogo que resulte num compromisso entre os responsáveis pela administração dos poderes do Estado e a sociedade. É inadmissível alimentar a crise econômica com a atual crise política. O Congresso Nacional e os partidos políticos têm o dever ético de favorecer e fortificar a governabilidade. 
 
As suspeitas de corrupção devem ser rigorosamente apuradas e julgadas pelas instâncias competentes. Isso garante a transparência e retoma o clima de credibilidade nacional. Reconhecemos a importância das investigações e seus desdobramentos. Também as instituições formadoras de opinião da sociedade têm papel importante na retomada do desenvolvimento, da justiça e da paz social.
 
O momento atual não é de acirrar ânimos. A situação exige o exercício do diálogo à exaustão. As manifestações populares são um direito democrático que deve ser assegurado a todos pelo Estado. Devem ser pacíficas, com o respeito às pessoas e instituições. É fundamental garantir o Estado democrático de direito.
 
Conclamamos a todos que zelem pela paz em suas atividades e em seus pronunciamentos. Cada pessoa é convocada a buscar soluções para as dificuldades que enfrentamos. Somos chamados ao diálogo para construir um país justo e fraterno.
 
Inspirem-nos, nesta hora, as palavras do Apóstolo Paulo: “trabalhai no vosso aperfeiçoamento, encorajai-vos, tende o mesmo sentir e pensar, vivei em paz, e o Deus do amor e da paz estará convosco” (2 Cor 13,11). 
 
Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, continue intercedendo pela nossa nação!
 
Brasília, 10 de março de 2016.
 
Dom Sergio da Rocha Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de Brasília-DF Arcebispo de S. Salvador da Bahia-BA
Presidente da CNBB Vice-Presidente da CNBB
 
Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília-DF
Secretário-Geral da CNBB
 
Do Portal Vermelho



VITRINE
COTAÇÃO DE MOEDAS
CONVERSOR DE MOEDAS
PREVISÃO DO TEMPO

debotuca.com
DIRETOR - JOÃO FERNANDO DE CAMPOS - MTB 79817 - Email: debotuca@hotmail.com

As opiniões são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente o pensamento do site, bem como os links veiculados.

© debotuca. Todos os direitos reservados.
Powered by Vinícius