Botucatu, segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
LINKS
COTIDIANO
06/10/2019
Passarinhando no cerrado de Botucatu


Projeto de extensão do IB trabalha educação ambiental com alunos do Cedro

São 8 horas da manhã e os alunos da escola municipal Hernani Donato, no bairro Cedro em Botucatu, estão prontos para mais uma “expedição”. Na mão, binóculos. Silêncio e movimentos leves. Afinal, não se pode espantar os personagens principais do lugar. Tucanos, carcarás, gaviões, enfim. Mais de 60 espécies já registradas em plena mata de cerrado.
 
 
 
Essa interação entre crianças e meio ambiente é uma das premissas da escola, mas que foi potencializada com a chegada do “Passarinhando”, projeto de extensão do Laboratório de Etologia do Instituto de Biociências da Unesp Botucatu. Desde março deste ano, alunos e professores do IBB promovem atividades na escola do Cedro. Tudo para fortalecer a consciência de conservação ambiental.
 
 
 
“Desenvolvemos o levantamento da avifauna na unidade de conservação Floresta Estadual de Botucatu. Trata-se de um importante fragmento de Cerrado que fica ao lado da escola. Onde já registramos 11 espécies de aves ameaçadas. Queremos alertar sobre a importância do local e urgência para que o poder público possa cuidar assim como a população do entorno”,  enfatiza a Profª Silvia Nishida, do Instituto de Biociências.
 
 
 
Em junho de 2018, Silvia, ao lado de outros colaboradores, lançou o Guia de Aves de Botucatu e São Manuel. Publicação que compila dados de levantamentos de avifauna realizados nos dois municípios. Ao todo, 342 espécies de aves estão registrados na publicação que, por sinal, não sai das mãos dos alunos do Cedro durante as atividades na mata. Justamente para que os pequenos compreendam melhor as características de cada ave.
 
 
 
Mas o projeto não se resume a observar as aves. O conteúdo é replicado na sala de aula, de diferentes maneiras. Seja na construção de textos ou mesmo atividades artísticas. “Consigo trabalhar habilidades de todas as disciplinas dentro desse projeto. Eles querem criar, fazer teatro, participar das aulas. Motiva eles a quererem a estar na escola a quererem aprender”,  afirma Maria Clara Estevez de Matos, professora da escola, que também é formada em Ciências Biológicas pelo IBB e fez uma letra de música sobre o projeto.
 
 
 
Jennifer Lara Mendes Pinheiro tem apenas 8 anos. Mas já tem plena consciência sobre a importância das aves para o meio ambiente. “O meu preferido é Beija-flor tesoura porque ele passa o néctar de uma flor para outra”, conta ela, que ao lado dos colegas, ficou apavorada quando um incêndio destruiu parte da vegetação ao lado da escola. O estrago só não foi maior porque o Córrego Pinheirinho (Nascente Ibiaçá) passa ali perto.
 
 
 
A ideia é que o projeto possa continuar para 2020. Construir um “Jardim para Beija-Flores” e promover plantio de plantas que possam atrair mais aves no entorno da escola estão nos planos. Enquanto isso, os alunos aproveitaram a semana do Dia das Aves (5 de outubro) para escolher a “ave símbolo” da escola: o carcará
 

Da Assessoria (4toques) - Fotos divulgação
 



VITRINE
COTAÇÃO DE MOEDAS
CONVERSOR DE MOEDAS
PREVISÃO DO TEMPO

debotuca.com
DIRETOR - JOÃO FERNANDO DE CAMPOS - MTB 79817 - Email: debotuca@hotmail.com

As opiniões são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente o pensamento do site, bem como os links veiculados.

© debotuca. Todos os direitos reservados.
Powered by Vinícius