Botucatu, domingo, 08 de Dezembro de 2019
LINKS
COTIDIANO
27/11/2019
Professor da Unesp Botucatu estuda benefícios do chamado "hormônio do sono"


Prof. Chuffa, ao lado de sua equipe de pesquisa, no Instituto de Biociências de Botucatu
arquivo pessoal
 
Pesquisa observa efeito da melatonina contra o câncer de ovário
 
 
Mais que estimular o “sono dos anjos”, a melatonina também atua como um poderoso antioxidante natural e anti inflamatório. Este hormônio, produzido pela glândula pineal, localizada bem no meio no cérebro, é essencial para a regulação do nosso “relógio biológico”.  
 
Esta substância tem chamado atenção de pesquisadores do mundo todo, justamente pelo seu potencial de combater radicais livres (moléculas liberadas pelo metabolismo do corpo e que provocam envelhecimento e morte celular) e, por sua vez, inúmeras doenças. Entre elas, o câncer. 
 
O Prof. Luiz Gustavo Chuffa, do Departamento de Anatomia do Instituto de Biociências da Unesp de Botucatu (IBB), por exemplo, testa há cerca de três anos os efeitos da melatonina no combate ao câncer de ovário. Os testes têm sido realizados in vivo (cobaias) e in vitro.
 
Ao que tudo indica, a melatonina, quando produzida em altas concentrações no período noturno, permite que a célula tumoral tenha um metabolismo semelhante ao da célula normal. Diferente do que é observado durante o dia, onde ela continua a exibir o fenótipo metabólico tumoral (efeito Warburg). 
 
“Até o momento, observamos que a melatonina induz a morte de uma linhagem celular de câncer de ovário e esses efeitos parecem ser dependentes dos seus receptores. Estamos investigando alguns alvos-chave do metabolismo mitocondrial responsável pela glicólise e pela fosforilação oxidativa (etapa de metabolismo da célula) para entender melhor esses eventos e verificar prováveis mecanismos de ação da melatonina”, comenta.
 
De acordo com o biólogo, alguns tipos de tumores parecem ter envolvimento direto com a quantidade de melatonina produzida pelo corpo. Apesar de já saber-se que indivíduos com câncer dormem pouco e tem baixos níveis de melatonina ainda não se sabe se o inverso é verdadeiro. Ou seja, se aqueles que dormem pouco estão mais propensos a desenvolverem câncer.
 
“Hoje o que podemos dizer é que um sono de qualidade, associado a boa produção de melatonina, deve ter um papel protetor contra o desenvolvimento do câncer - incluindo, claro, outros fatores envolvidos. No caso do câncer de ovário, somente quando suplementados com melatonina é que conseguimos matar as células e atenuar a invasão”, complementa.
 
 
 
Melatonina como suplemento
 
Esta pesquisa conta com a colaboração de uma das principais sumidades no assunto: Prof. Russel Reiter. O biólogo norte-americano, docente em Neurociências e Anatomia na Universidade de Ciências da Saúde em San Antonio, Texas (EUA), é especialista nos aspectos protetores da melatonina. Iniciou seus trabalhos pouco tempo depois da caracterização da molécula da melatonina, em 1958.
 
Segundo ele, dormir menos pode de fato trazer consequências mais sérias à saúde do ser humano. Por isso tem sido um dos principais defensores da suplementação de melatonina exógena, ou seja, fabricada artificialmente pela indústria farmacêutica [por se tratar de um hormônio endógeno, produzido naturalmente pelo corpo, não é patenteável]. Apesar de ser liberada sua comercialização em vários países, o produto ainda não é regularizado pela Anvisa, no Brasil.
 
“Nos EUA, a melatonina é vendida como um suplemento sem receita. Na Europa, é vendida por prescrição. Na China, está disponível como um ‘mercado de balcão’. Considerando seus inúmeros benefícios, sinto que a melatonina é extremamente subutilizada. Deve estar prontamente disponível visto que tem muitos benefícios e é muito menos tóxica que outros medicamentos, como por exemplo a aspirina”, argumenta Reiter.
 
“Acredito que ainda tem muito a ser explorado, mas até o momento a melatonina já demonstrou ter muitas atividades benéficas. Importante salientar é que cada caso é um caso em termos de tratamento. Então a consulta com o especialista sempre deve ser seguida por mais que a melatonina não tenha efeitos colaterais. Vale a pena destacar que seu consumo excessivo pode aumentar a sonolência no período diurno”, pondera Chuffa.
 
 
 
Luz do celular é inimigo do sono
 
O corpo humano, como qualquer ser vivo, precisa economizar energias em algum momento do dia para seu desenvolvimento. Porém este botão de “liga / desliga” não é tão simples de acionar uma vez que este “gatilho” fica justamente no nosso cérebro. 
 
E diferente do que muitos pais costumam dizer às crianças, na hora de convencê-las a ir para a cama, não basta apenas “fechar o olho para o sono chegar”. Para produzir mais melatonina e, consequentemente, “atrair o sono”, é preciso escuridão total. 
 
“Um segundo de luz - por exemplo aquela acendida para ir ao banheiro à noite - é suficiente para inibir a produção de melatonina. Mas deixar a TV ligada ou usar o celular na cama certamente são os grandes vilões do sono”, enfatiza Chuffa.
 
Além do uso excessivo da luz artificial durante à noite, a produção natural de melatonina pode ser interrompida com uso de medicamentos e o envelhecimento em si.
 
A privação do sono também é um inimigo, que afeta principalmente quem trabalha no período noturno ou faz viagens transmeridionais com frequência, criando o famoso “jet leg” - aquela alteração do ritmo biológico após mudanças do fuso horário em longas viagens de avião.
 
 
 
Curiosidades
 
Diariamente um ser humano, com ciclo circadiano normal, produz em média de 120 a 180 pg/ml de melatonina durante a noite (com pico na metade da noite ou auge da madrugada). Essa concentração cai drasticamente durante o dia (em torno de 20-40 pg/ml). 
 
Pesquisas recentes apontam ainda que pessoas com disfunção na produção de melatonina e alteração na qualidade do sono estão mais propensas a desenvolver: síndrome metabólica, ganho de peso, alterações cardiovasculares, distúrbios cognitivos, entre outros.
 
Mas não são apenas os seres humanos que produzem melatonina. Animais e plantas também produzem esta substância. Outro fato interessante é que a melatonina está 100 vezes mais concentrada nas mitocôndrias (organelas responsáveis pela respiração celular) quando comparado à circulação sanguínea
 
 
Da Assessoria (4toques)



VITRINE
COTAÇÃO DE MOEDAS
CONVERSOR DE MOEDAS
PREVISÃO DO TEMPO

debotuca.com
DIRETOR - JOÃO FERNANDO DE CAMPOS - MTB 79817 - Email: debotuca@hotmail.com

As opiniões são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente o pensamento do site, bem como os links veiculados.

© debotuca. Todos os direitos reservados.
Powered by Vinícius